Continuar a luta na Refinaria

Este é o tempo de reafirmar e apresentar as nossas reivindicações. Avançar para não andar para trás, é isso que efetivamente se trata. É necessário e urgente o aumento dos salários.

Estamos prestes a completar um ano de uma realidade completamente nova trazida pela pandemia de COVID-19. Apesar de todas as medidas mais ou menos limitativas, a vida dos trabalhadores seguiu com as dificuldades que todos conhecemos, o desemprego, a redução de salários e todos os problemas associados à precariedade que continuam a cravar-se na pele como cardos.

Apesar das condições de saúde, a luta dos trabalhadores não pode parar, pois já vimos que os patrões aproveitaram o período de confinamento para retirar direitos aos trabalhadores. Nunca estivemos todos no mesmo barco, como quiseram fazer-nos crer.

Os trabalhadores da refinaria, da MARTIFER e da Petrogal, de experiência própria, sabem da coragem e abnegação que é necessária para juntos continuarmos a travar as intenções dos patrões, e assim andarmos para a frente e não andar para trás.

SOLIDARIEDADE COM OS TRABALHADORES DA REFINARIA DO PORTO

A indústria em Portugal, ou que resta dela, está na mira do governo que ainda o ano vai no início e já encerrou a Central Termoeléctrica de Sines e, em conluio com a Administração da Galp, pretende também fechar a Refinaria do Porto. Estas duas instalações juntas representam a perda de mais de 2000 postos de trabalho e um impacto negativo muito grande na economia do País.

O SITE Sul saúda a luta dos trabalhadores da Refinaria do Porto que não abdicam dos seus empregos, nem se resignam com histórias da carochinha para justificar que os mesmos de sempre continuem a embolsar centenas, milhares de milhões de euros à custa da destruição do aparelho produtivo do país e da exploração dos trabalhadores.

A chamada transição energética é também falsa por ainda não existir nenhuma alternativa credível e as medidas anunciadas redundarem em mais poluição.

As realidades das refinarias de Sines e Porto são muito semelhantes e em conjunto no país representam mais de metade do sector da indústria metalomecânica e de reparação industrial que sofre um rombo significativo.

Queremos com isto dizer que o encerramento de qualquer instalação industrial sem alternativa tanto na produção e fornecimento de energia como na criação de emprego deve ser recusado por todos os trabalhadores, independentemente do embrulho mais bonito em que os enrolam.

O Site Sul está solidário e na luta pela continuidade da Refinaria do Porto, pelos postos de trabalho, pela indústria e produção nacional.

24/02/2020

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email